Oi! =)

Quando pequena, lembro-me de termos um “dia da família”. A tarde, íamos ao clube, brincávamos juntos, nadávamos e nos divertíamos em família! Também me lembro de que as vezes, nos sentávamos na grama do quintal de casa, e fazíamos piquenique. Outras vezes, fazíamos jogos de mesa. Me lembro bem de um jogo que era muito bem guardado, por ser frágil: uns sapos grandes que ficavam pulando e com uma rede pequena, tínhamos que tentar pegá-los no ar. Era muito divertido!

Crianças gostam da atenção dos pais e de ter toda a família reunida. Os jogos de mesa são um motivador para que isso aconteça.

Crianças um pouco mais velhas também precisam de atenção:

“É curioso notar, por exemplo, como as mães costumam dar atenção às crianças pequenas, até quatro ou cinco anos. Elas se dispõem inclusive a sentar com a criança e jogar. Talvez porque acreditem que isso faz parte do seu dever de mãe, que isso estimula a criança e contribui para a sua formação, exercita sua inteligência, etc. Então elas têm muita disposição para ensinar os filhos a jogar o jogo da memória, a montar quebra cabeça… Mas depois disso, adeus jogos. Por quê?”

Uma das razões para que isso não aconteça, é que existe a nossa disposição a TV, jogos de vídeo game, tablets, e muitos eletrônicos. Mas cada um tem seu interesse no material disponível na TV, jogos de vídeo game não estimulam uma conversa, tablets e eletrônicos, muito menos.

Além de trazer união e diálogo, os jogos de mesa também ensinarão a criança a não desistir de algo que começou. Lembro-me de que, quando começávamos um jogo, meus pais nos ensinavam a ficar até o término dele. Entrávamos no jogo, sabendo que iríamos até o fim. Na prática, isso nos ajuda a assumir um compromisso e cumpri-lo. Por exemplo: casar e não pensar em divórcio na primeira dificuldade.

Além disso, jogos de mesa estimulam a atenção, o escutar e os níveis de concentração.

Em seu texto “A importância de jogar em família”Sergio Halaban, diz:

“Finalmente, um ponto não menos importante: jogar é divertido! Se você tiver o jogo adequado, jogar é divertido. E há jogos que podem proporcionar uma experiência agradável para adultos e crianças na mesma mesa. Isso é algo que os alemães compreendem como ninguém. Li uma vez, numa entrevista do Sid Sakson, algo mais ou menos assim: A Alemanha é o único país em que um pai considera que jogar com seus filhos faz parte de seus deveres. Não é à toa que os melhores jogos estejam vindo de lá. Mas você não precisa estar na Alemanha para sentar com seus filhos à mesa, tirar um jogo do armário e interagir, como pais e filhos deveriam interagir, em qualquer idade.”

Quero te motivar a separar uma noite por semana, para ser chamada de Noite dos Jogos. E não precisa de grandes investimentos. Existem coisas em casa que podem ser usadas para se jogar algo.

Veja essa ideia aqui, de um jogo que usa dicionário (gosto desse, me divirto!) e essa outra aqui, que utiliza dados e habilidade de somar.

E aqui vai uma ideia do que fizemos em nossa casa alguns dias atrás, com nossos queridos filhos (de 4 anos e 2 anos):

 

Divirtam-se e até a próxima!

Carmen